Por Upsocl
5 agosto, 2022

Seu nome é Ian Alejandro Rubey, é um homem transgênero de 31 anos que está grávido de 33 semanas e espera a chegada dos seus filhos. “Me deram licença maternidade, mas vou ser pai”, esclarece.

Um homem trans está grávido e esse é o caminho que ele percorreu para chegar, não só a gestar gêmeos no seu ventre, mas para aceitar que ainda é homem e que sua masculinidade não será afetada pela gravidez.

Ian Alejandro Rubey, tem 31 anos e é formado em Ciências Biológicas. Atualmente, ele trabalha em uma escola secundária e está prestes a sair com licença de maternidade, já que a chegada dos seus bebês será em agosto. No entanto, para ele, isso não significa que será mãe, mas que se tornará pai

Noelia Vivas

Ele já tem tudo planejado: Não só pensa em gestar seus filhos, mas também os terá por parto vaginal e os amamentará, pois ainda não conseguiu se submeter à remoção dos seus peitos ao mudar de sexo.

O início de sua longa caminhada

Eram os anos 90 e ainda não se sabia nada sobre ser transgênero, então Ian cresceu como uma menina. Durante sua infância, sempre teve uma expressão bastante masculina e gostava de mulheres, razão pela qual achou que era lésbica, então ela se assumiu aos 15 anos.

Noelia Vivas

No entanto, foi rejeitado pela sua família, pelo que decidiu procurar sua versão mais feminina e começou a namorar garotos. Claro, todas as suas experiências foram mal sucedidas.

Já na faculdade, e assumida como mulher lésbica, uma amiga —de maneira muito próxima— lhe perguntou: “Tem certeza que você se sente como uma mulher? Você está realmente satisfeita com este gênero?”.

Aos 27 anos, entendeu que a questão não era sua orientação sexual, ou seja, se gostava de homens ou mulheres, mas sim sua identidade de gênero (se se percebia como mulher ou se percebia como homem). Foi assim que entendeu que não era uma jovem lésbica, mas um homem trans

Noelia Vivas

Desejos de ser pai

“Queria formar minha família mas não me ocorreu pensar em gestar, justamente porque o associava com a ideia de ser mulher”, revela Ian ao Infobae. “Eu estava tentando me apropriar da minha identidade masculina e torná-la uma parte total e absoluta da minha vida, estava me injetando testosterona. Não me cabia nem por acaso que fosse possível ser homem e estar grávido, pelo contrário, sentia que ia contra a minha masculinidade.” 

No entanto, as histórias de outros, como a de dois homens trans espanhóis que estavam grávidos, o fizeram perceber que isso poderia ser possível: “Mesmo tendo uma barriga de 8 meses, sua identidade masculina não mudou. Eram eles, continuavam sendo eles.” 

Instagram @polgalofre

Dessa forma, decidiu engravidar, sabendo que teria que parar de tomar testosterona para recuperar seu ciclo menstrual. Mas é claro que para ele “sua masculinidade estava tão arraigada” que nada o faria duvidar da sua identidade de gênero, nem mesmo a menstruação.

Noelia Vivas

Depois de um tratamento de inseminação para engravidar, em 2021 ele descobriu que não só tinha um bebê no ventre, mas que eram Manuel e Yanay Almendra, os gêmeos que agora estão a poucos dias de nascer

“Estar grávido não é contra minha masculinidade, nem mesmo com essa barriga de 8 meses”, diz Ian, que agora está acompanhado de sua companheira, Patricia, que vai apoiá-lo na criação dos bebês.

Noelia Vivas

Os bebês devem nascer em agosto e, como tantos pais trans, Ian dará à luz seus filhos.

Puede interesarte