Por Upsocl
26 noviembre, 2021

A aclamada atriz, que trabalhou não só com Johnny, mas também com outros homens “cancelados”, como Armie Hammer ou Shia LaBeouf, criticou a maneira em que a indústria tem abandonado as suas estrelas: “Foi muito bom trabalhar com eles; me entristece a perda destes grandes artistas”.

Durante vários anos, alguns aspectos do mundo do espetáculo têm mudado por um dos fenômenos mais líquidos e difíceis de compreender dos últimos anos. Trata-se da “Cultura do cancelamento”, uma questão que deriva da ideal correção política. Todos temos visto isso em efeito com a maneira em que atores, músicos ou qualquer outra classe de famoso tem perdido tudo da noite para o dia, depois de que uma ou mais pessoas o acusaram de ter uma conduta inapropriada.

Getty Images

Muito dos seus colegas se mantêm em silêncio, ou inclusive apoiam as acusações, em muitos casos por medo de represálias. Mas a tendência parece estar mudando.

@dakotajohn.official

É difícil ver de outra maneira quando uma atriz de primeira linha, como Dakota Johnson (protagonista nada mais, nada menos da saga “50 tons de Cinza”) levanta a voz para criticar a maneira em que a indústria e alguns grupos pequenos, mas muito barulhentos, das redes sociais estão criticando os seus colegas.

@johnnydeppoffical__

Cabe mencionar que Dakota compartilhou tela com três destes “homens problemáticos. “ Trata-se de Armie Hammer, Shia LaBeouf e o mesmíssimo Johnny Depp, que é um dos mais emblemáticos desta estranha tendência:

“Nunca experimentei isso de primeira mão vindo de nenhuma dessas pessoas. Foi tudo muito bom trabalhar com eles; me entristece a perda de grandes artistas”

–Dakota Johnson para o Hollywood Reporter

@dakotajohn.official

Um dos pontos que Dakota mais atacou é a maneira em que a indústria pode fechar as portas na cara de alguém que há um momento era a sua estrela favorita, só porque perderam o favor de certo setor do público.

@dakotajohn.official

A estrela de cinema também criticou como a indústria não faz nada para dar uma segunda oportunidade a quem ficou fora:

“É uma mentalidade tão antiquada do que se deve fazer no cinema, de quem deve aparecer nele, de quanto se deve pagar, de como deve ser a igualdade e a diversidade. Às vezes é preciso jogar fora a velha escola para que entre a nova. Mas, se a cultura do cancelamento é um grande declínio. Odeio esse termo.

Acredito que as pessoas podem mudar. Quero acreditar no poder de um ser humano para mudar e evoluir e obter ajuda e ajudar outras pessoas”.

–Dakota Johnson para o Hollywood Reporter

@dakotajohn.official

Se Dakota já se atreveu a levantar a voz, esperemos que inspire outros dos seus colegas a fazer o mesmo. Depende de pessoas com poder e uma voz que seja escutada para colocar um fim a esta maneira de tratar as pessoas. 

 

 

Puede interesarte