Por Upsocl
30 julio, 2021

Ona Carbonell, capitã da seleção espanhola de natação artística, reclamou que “ficar grávida não é uma lesão” e manifestou a sua frustração ao estar longe de um filho, Kai, com menos de um ano.

A poucos dias de ter início os Jogos Olímpicos de Tóquio 2020 (realizados desde julho de 2021 por causa da pandemia da COVID-19) surgiram críticas de atletas femininas que não tiveram a permissão para viajar para o evento com os seus filhos em fase de amamentação, como é o caso de Ona Carbonell, capitã da seleção espanhola de natação artística.

Através de sua conta na rede social Instagram, Carbonell denunciou que a organização lhe negou a possibilidade de ir para a competição com o seu filho e criticou esta medida como uma discriminação com as atletas mães.

Ona Carbonell

“Apesar da aparição de algumas notícias que sugeriam a possibilidade de que nós esportistas não poderíamos viajar para os Jogos Olímpicos de Tóquio acompanhados de nossos filhos em fase de amamentação ou de pouca idade, fomos informados pelas entidades organizadoras de umas medidas bastante drásticas que impossibilitam esta opção para mim”, disse Carbonell.

“Após receber incontáveis mostras de apoio e ânimo para ir a Tóquio com Kai, queria manifestar a minha decepção e desilusão porque finalmente terei que viajar sem ele”, acrescentou a atleta de 31 anos.

Ona Carbonell

Devido à importância desta data esportiva, o seu pequeno terá que ficar em casa apesar da necessidade de estar junto com a sua mãe ao ter menos de um ano de idade e seu estado de amamentação. Carbonell espera que para os próximos eventos, a realidade seja outra.

Ona Carbonell

“Nossa única possibilidade é esperar o fim desta pandemia para que volte a normalidade, e com ela as medidas necessárias para que a conciliação familiar e esporte de elite durante uma competição seja mais fácil para todos. Muito obrigado a todos pelo apoio de vocês”, finalizou em sua mensagem.

Ona Carbonell

De acordo com o El País, Carbonell se retirou temporariamente desta disciplina esportiva depois do Mundial da Coreia do Sul em 2019, para dar a luz a Kai. Depois, regressou para as piscinas e conseguiu se classificar para o evento olímpico com a sua equipe da Espanha. Apesar do seu esforço, o seu filho não estará perto dela durante a sua importante atuação.

Ona Carbonell

“A maternidade é ainda um dos handicaps que as mulheres têm no esporte. Ficar grávida não é uma lesão. Falei com outras atletas, com minha amiga Teresa Perales (também nadadora), por exemplo; ficou sem renda, sem nada, não tinha nem uma raia para nadar, ninguém confiava nela. Me dei conta de que isso da conciliação no esporte não existe”, disse a atleta em uma conversa com o El País, no último mês de janeiro.

Cabe destacar que Carbonell ganhou 23 medalhas mundiais, a maior quantidade para uma mulher neste esporte. Além disso, tem duas medalhas olímpicas obtidas em Londres, 2012.

Puede interesarte